Estatisticas
Membros : 95
Conteúdo : 113
Links da Web : 73
Visualizações de Conteúdo : 110601
Início

PostHeaderIcon Radiobiologia dos tecidos - Página 5

Índice do Artigo
Radiobiologia dos tecidos
Page 2
Page 3
Page 4
Page 5
Todas Páginas

Organização dos tecidos


Compartimento parenquimatoso

Pode ser composto vários tipos de células (pele, mucosa intestinal)

. Órgão  . Célula  . Tipo 
. Testículo . Espermatogónias A . Estaminais
. Espermatogónias B,
. espermatocitos e
. espermátides
. Intermédias
. Espermatozóides . Diferenciadas
 
. Sistema
. hepatopoiético
. Stem cell medular . Estaminais
. Eritroblastos,
. mieloblastos,
. megacariocitos
. Intermédias
. Eritrocitos, leucócitos, plaquetas . Diferenciadas
 

Nestes órgãos o compartimento parenquimatoso é composto por várias populações celulares

  • As células 'fluem' do compartimento estaminal para o diferenciado.
  • Este fluxo tem a ver com as necessidades regenerativas ou funcionais do tecido.

Alguns parênquimas são compostos por células de um único tipo:
Ex.: fígado (CPR) e músculo, cérebro e espinal medula (CPF)

 

 

Compartimento mesenquimatoso


  • Independente do anterior
  • Composto por tecido conjuntivo de suporte e vascularização capilar (CCM)
  • Têm uma sensibilidade intermédia às radiações
  • As suas características e ubiquidade podem estar na base da radiossensibilidade de tecidos com células que tipicamente não se dividem (pulmão, rim, espinal medula)

 

A lesão pela radiação de tecidos tipo CPR e CPF pode ser explicada pela lesão das células mesenquimatosas mais sensíveis, do tipo CCM.

A lesão vascular resultante levaria a hipóxia e morte por razões que não a radiação

A perda de elasticidade dos tecidos (fibroblastos) levaria a uma redução da resistência mecânica e a um maior risco de lesões perante traumatismos

... esta hipótese tem poucos apoiantes, que argumentam que as diferenças na resposta parenquimatosa pode ser explicada apenas pelo turnover celular específico de cada tecido.