Estatisticas
Membros : 81
Conteúdo : 113
Links da Web : 73
Visualizações de Conteúdo : 70666
Início Radioterapia Radiobiologia Doses de tolerância

PostHeaderIcon Doses de tolerância

Índice do Artigo
Doses de tolerância
Page 2
Todas Páginas
A tolerância dos tecidos normais à radiação depende de múltiplos factores (dose total, dose por fracção, tempo de administração, débito de dose, volume tratado ...)

Olhando apenas para a irradiação externa para fins terapêuticos, o planeamento do tratamento procura evitar toxicidades elevadas nos órgãos e tecidos normais.

 

A dose de tolerância pode ser definida como aquela a partir da qual a taxa de efeitos secundários graves é demasiado elevada para justificar a sua utilização. A dose, tal como a gravidade dos efeitos secundários, depende em grande medida do órgão que considerarmos.

 

Doses de tolerância com fracções diárias de 2Gy (Dobbs et al, 1991)
. Cérebro 50-55 Gy
. Medula (10 cm, cervical) 44 Gy
. Plexo braquial 50 Gy
. Pulmão (todo) 20 Gy
. Pulmão (parte) 40-50 Gy
. Pericárdio 40 Gy
. Figado (todo) 20-30 Gy
. Tiroide 30Gy
. Pele (alopécia) 55 Gy
. Parótida (xerostomia temp.) 10 Gy
. Parótida (xeros. prolongada) 40 Gy
. Rins (ambos) 20 Gy
. Rins (1/3 de cada) 40-50 Gy
. Ovários (esterilização) 2-6 Gy
. Testículos (esterilização) 3-4 Gy
. Cristalino (cataratas) 5-10 Gy
 

A dose por fracção utilizada faz variar o efeito biológico de uma mesma dose total. Em termos práticos doses superiores por fracção implicam um efeito biológico superior. Infelizmente superior não quer dizer melhor, nomeadamente no que diz respeito aos órgãos de tolerância.

Com base neste princípio foram avaliadas, para diversos tecidos, as doses totais, administradas com fracionamentos diferentes, necessárias para obter os mesmos efeitos (curvas de isoefeito).